quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Produção animal: criando inocentes para alimentar pecadores

Acho alguma pertinência na questão das touradas. Os tempos mudam e de facto espetar ferros no lombo de um animal para gáudio dos espectadores não me parece uma actividade defensável. No entanto os praticantes da tauromaquia não são os piores inimigos dos animais. Apesar da violência que desagrada um número cada vez maior de cidadãos, reconheço existir na tourada uma ética e um código antigo no tratamento dos cavalos e touros.
Mas quem goste de animais e desgoste de os ver maltratados deverá dirigir a sua indignação para algo verdadeiramente incivilizado como é a actual produção animal  para consumo humano. Não, não sou vegetariano, mas esforço-me por consumir menos carne e selecciono aquela que resulta de criação ao ar livre. Os animais que comemos são seres relacionais, necessitam de ver a luz do dia, ter ar fresco e poderem fazer exercício. A vasta maioria dos animais criados para consumo, nem têm acesso a nada disto. Vivem uma vida miserável, sob tortura, apenas para produzir carne para consumo. Quanto mais barata é a carne no supermercado mais maltratados os animais foram. Isto é eticamente inaceitável.

São inúmeras as reportagens e documentários sobre as condições de produção animal. As imagens são tristes e dolorosas de assistir, por isso tanta gente se recusa a vê-las. Mas não querer ver não é a solução. Dizem alguns, não há nada a fazer. Na verdade há! Podemos fazer opções de compra mais inteligentes, escolhendo produtos que resultam da criação de animais em condições mínimas de respeito pelas suas necessidades básicas. Galinhas, porcos e vacas que vêm a luz do dia, sentem o vento, o frio e o calor, sentem a terra e comem plantas (não apenas ração) e convivem uns com os outros. Sim mas esta carne é mais cara, dizem alguns. Sim é, mas também não faz mal a ninguém comer menos carne e fazer escolhas mais saudáveis para todos. Até porque a criação em massa de animais é responsável por inúmeros problemas ambientais, tais como a desflorestação, a contaminação dos solos e das águas, a emissão de enormes quantidades de metano para a atmosfera com forte contributo para o efeito de estufa, e o consumo de um terço de todos os cereais produzidos a nível mundial para rações. Estes cereais poderiam matar a fome que persiste no planeta.

Vejam aqui este interessante vídeo sobre este assunto, produzido na Austrália. http://www.makeitpossible.com/

ver no Youtube: http://youtu.be/o-dQz-yp3e0

Não feche os olhos e faça alguma coisa!  

Sem comentários:

Enviar um comentário